27 de março de 2011

Voou

É, eu sei. Eu transbordei. Passei dos meus limites que me deixariam à deriva. Transportei-me a um futuro quase invisível. Já diria na iminência do quase impossível. Mas o início, o pontapé para isso foi seu. Naquele dia da chuva fina e das despedidas flutuamos numa história de realeza, castelos e côrte. Cortejada fui. Cortejado foste. De forma calma. Suave como seu próximo voo. Coragem não tive. Admito. Na surdez dos meus receios deixei de lado a chance de andarmos juntos enquanto o tempo permitisse. E como seria? O quanto valeria? Falaríamos do todo que envolve as diferenças culturais, regionais, praticamente mundiais e da distância continental que nos separa. Riríamos das coincidências inevitáveis, dos gostos inconfundíveis, das esperanças desbravadas. Saltaríamos daquele que pareceria um abismo intransponível e poderíamos aterrizar no mesmo lugar. Ah poderíamos! Isso é fato. Levaríamos um tempo para nos adaptarmos, mas seríamos como Marte e Vênus, café e leite, ouro e prata....

8 comentários:

  1. Impressionante a sua lucidez...

    Um beijo imenso!

    ResponderExcluir
  2. Aqui, encantado com sua 'casa virtual' tbém, e, voltarei outras e outras vezes...
    Abçs*

    ResponderExcluir
  3. bem-vinda, Lu!

    descobrir novos limites é bom!

    ResponderExcluir
  4. Brilhante sua escrita, curti d+! Obrigado pela visita, por me trazer aqui =]
    Agrande abraço.

    ResponderExcluir
  5. ...adoro a tua sensibilidade
    e intimidade com as palavras!

    beijo, querida!

    ResponderExcluir
  6. De certa forma, a gente vive voando...
    Bjoo!!

    ResponderExcluir
  7. Sua maneira clara e simples de escrever no faz continuar lendo.

    ResponderExcluir