29 de setembro de 2010

Intenções

A juventude dele a fazia renunciar ao presente que torturava aquela alma ainda infantil. Queria ser livre de pudores, mas não de amores. Vê-lo descobrir as sensações já sentidas, viver as comoções já vividas a deixava entorpecida pelo passado que não volta. Aquele sorriso sarcástico, repleto de segundas intenções, impulsionava a tensão de querer por em prática o que a imaginação já criara. Sentira seu cheiro, alisara seu cabelo, desfrutara seu corpo. No voo do pensamento. Apenas. Pousara o pensamento naqueles minutos ligeiros que não eram guiados pela intenção explícita. Seguira sem controle num descontrole descompassado pelo ritmo que ela encontrara diante dos olhos. Ele a levava a encarar novidades, mostrava o que ainda não conhecia. Sentia-se voar ao lado dele, livre como passear suavemente pelo azul infinito que se estabelece lá no alto. Como se não tivesse que carregar os anos nem tão pesados de certa experiência. Ele a fazia retroceder, reencontrar-se no tempo perdido, desejar a suavidade dos dias que estavam por vir. Lançar-se-ia àquele caminho ainda incerto, mas que a ele conduziria. Deixaria de lado o receio de viver o que há a mais na vida. Afinal, o que isso teria demais?

8 comentários:

  1. Você me fez lembrar com saudades de um grande amor que eu tive e que, por que era mais jovem do que eu, abri mão. Não sei se faria isso com a experiência que tenho hoje.O amor tem o condão de transformar o tempo num círculo, no qual não há começo nem fim, nem passado nem futuro para os dois amantes. Há simplesmente hoje, o agora absoluto e irresistível, perante o qual a vertigem dos sentidos é avassaladora.
    Um lindo texto, como todos que vc escreve, e que me deixou... melancólica.
    Beijokas.

    ResponderExcluir
  2. Lu querida!

    Amores com diferença de idade, quase sempre são intensos, e por serem assim, vez ou outra deixam algumas mágoas e cicatrizes. Independente das intenções...!

    Beijo enorme!!

    ResponderExcluir
  3. O voo do pensamento ultrapassa qualquer intenção.

    Beijo imenso, menina linda.

    Rebeca

    -

    ResponderExcluir
  4. O tempo, em certos casos, parece não ser nada.
    Bjoo!

    PS: tira o verificador de palavras! Veja como em meu post "Lennon e o verificador de palavras".

    ResponderExcluir
  5. O tempo, um medidor, por vezes subjetivo. Ás vezes pára, corre e volta.

    ResponderExcluir
  6. Oi, Lu...
    Muuito bom o seu blog, suas idéias... Bom gosto e sensibilidade, quando se juntam, produz um ótimo resultado.
    Estou te seguindo.
    Beijos no coração,
    EDU (http://edurjedu.blogspot.com)

    ResponderExcluir
  7. Tu pareces brincar com as palavras e o resultado é encantador.
    Jogos de imaginação que, um dia, levarão à realidade são os melhores, pois antes de acontecer, foram vivenciados em sonhos.
    Adorei!

    =*

    ResponderExcluir
  8. "Queria ser livre de pudores, mas não de amores..."
    isso vivemos, os que ousam e abusam do sentimento...
    tudo aqui é pleno
    abs

    ResponderExcluir