3 de julho de 2010

O novo

Ela parece não guardar mais aquele vácuo que a deixava fina, sem carne e nem osso, sem desejo ou esforço. Como se não soubesse se estava morta ou viva. Não tinha estrada e nem sentido. Nem, ao menos, saída. Sentia agora o frescor da possibilidade que se estendia diante do desconhecido. Não só uma. Uma na ida e outra na vinda. Pousou os olhos no inacabado, ainda moço. Refeito o primeiro passo, lembrou da surpresa ao olhar aquele rosto. Olhos grandes, sorriso largo. Quase desconcertante. Debruçou-se sobre ela como se buscasse o local a aportar. Interceptou o devaneio ao qual ela se lançava no momento. Trouxe-lhe de volta ao que poderia ser real. Mas mesmo na realidade do impacto do novo, ela não se rendeu. Pensou, repensou, sem ceder. Avaliou os riscos, temeu os perigos até analisar que a distância de fases entre as duas vidas, naquele segundo, separavam-se por desfocado rabisco. Era pouco, invisível, não aparecia na hora exata tampouco. Pareciam se ajustar, como se a harmonia se formasse ao som daquele antigo disco. Era isso. Diferiam e muito. Como vinil e CD. Como tocadisco e DVD. Traziam vivências diferentes, experiências distintas realmente. E o que poderiam fazer? O caminho seria imenso e precisariam estar atentos para não tropeçar. Enfrentariam tempestades de vento e quem fosse contrário ao sentimento que poderia surgir. Permitiriam-se sonhar e viver o que não terá que necessariamente terminar. De repente, ela abriu os olhos, no leito quente que lhe guardava os anseios, e percebeu que não sabia se estava a devanear ou se seu retraimento estava prestes a acabar.

6 comentários:

  1. Lu querida!
    Cada texto seu que eu leio, me identifico em alguma parte. Seja por inteiro, ou um parágrafo, ou até mesmo em uma só palavra.
    O que "ela" nos passa, é de uma sensibilidade incrível!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Lu,

    Torco para que esse retraimento tenha chegado ao fim.

    Beijo imenso, menina linda.

    Rebeca

    -

    ResponderExcluir
  3. No decorrer do teu texto fui sentindo um ritmo agradável e me senti embalada pelas palavras!
    Lindo texto, parabéns!

    =*

    ResponderExcluir
  4. Você e sua capacidade de sentir e conseguir nos fazer sentir isso tudo.

    afagos sensiveis

    ResponderExcluir
  5. A realidade de todos nós, paz.
    Beijo Lisette.

    ResponderExcluir
  6. A sua prosa fluí maravilhosamente, Lu.
    Parabéns!
    Ótimo fim de semana.
    Beijos

    ResponderExcluir