30 de agosto de 2009

Ele pode

Ele talvez seja a síntese do superlativo dos dias vividos e findos. Ele pode ser o elo que se nega a soltar e que não se desfaz com o tempo. É o que guarda a saudade, é o que devora a vontade em mim, é o que me leva além mar. Ele talvez seja a memória suave e doce, firme e forte, impossível de conter. Pode ser o que está por vir e o que não faz desistir. Mas pode ser aquele desejo descoberto que não se reencontrará jamais ou quem sabe sim. Ele pode ir, pode vir, pode estar aqui. É quem segura forte e olha nos olhos como se o precipício estivesse logo atrás. Suspira, respira e se deixa no ombro cair. É aquele que se joga, aposta, leva junto o que estiver por lá. Encara e puxa, sente o que está a girar. Ele talvez seja apenas o que a imaginação criou ou nem seja tanto o que faltou. Pode ser ainda pequeno e precisar de um longo caminho para aprender a se dar. Pode guardar no peito a esperança que aquece ou esperar o inverno passar. É quem ainda não veio, que enche de anseio e, aos poucos, pode se perder no ar. No entanto, é algo que não se prevê e só o passar do tempo poderá dizer onde pode chegar....

6 comentários:

  1. Ele é um cara de sorte.


    Bom que voltou.

    Bjs

    ResponderExcluir
  2. O simples fato de "ELE" existir, já é suficiente.
    O resto é mera consequencia, e o que tiver que ser, será!
    Beijãozão, Lulu!!

    ResponderExcluir
  3. fiquei por entender um pouco a essencia, mas achei bem inteligente o texto, vc é demais!!

    bjosss...

    ResponderExcluir
  4. OIE"!
    O tempo faz aprender, o tempo faz o mundo girar, o tempo faz aprender, o tempo faz compreender...
    O tempo é quem guarda as verdadeiras verdades da vida!!!

    Que bom que voltou...adoro vir aqui e ler seus posts!
    bjinhos

    ResponderExcluir
  5. Seu texto bem poderia chamar-se :

    A fila anda, e o porque não, a esperança é a última que morre?

    Nesta vida de afetos e sentimentos tipo iô-iô, que extamente, como no brinquedo de criança, fica subindo e descendo, na imaginário barbante das nossas esperanças, por
    vezes ele se enrola , perde o giro e temos que começar tudo de novo!

    Afinal, tudo na vida que não recomeça: morre!

    E preferível, sempre, recomeçar.

    ResponderExcluir
  6. você sabe escrever como ninguém...
    eu leio você em voz alta de tão delicioso que é!

    ResponderExcluir