7 de junho de 2009

Ela se contém

Ela é simples, mas complexa. Encarou-se só numa multidão eufórica e, mesmo assim, não se perdeu no vácuo deixado logo atrás de si. Optou por permitir-se ser levada por aquela onda imensa e desenfreada, de desejos alucinados e impostos, de habilidade inatas e insaciáveis, de juventude e liberdade. À luz de sua maturidade, foi desviando os passos e achando o compasso que lhe indicasse a estrada a seguir. Parou. Burlou. Ludibriou. Quase fez zombaria com os que estavam a esperar, mas recuou. Preferiu manter-se distante, atuante, nada eloquente. Retomou a tranquilidade amena. Não se fez de rogada e avançou. Ouviu doces frases poéticas como se fossem únicas, quase decorou-as ao dispensar tamanha atenção. Guardou galanteios qual enamorada encantada num jardim qualquer de flores brilhantes e amarelas. Desanuviou. Clareou. Iluminou. Recordou prestígio conquistado há tempos. Voltou ao passado curto. Ruborizou-se diante dos elogios e do passatempo. O que passou não se foi e ainda recobrou a energia perdida. Mesmo numa ebulição e efervescência dentro de si, conteve o impulso e esperou pelo o que se apresentava. Eis que as palavras trouxeram impedimentos. Barreiras intransponíveis que se elevavam à medida da sonoridade contínua. Emudeu. Calou. Surtou. Viu-se novamente solitária e afastou-se de tudo.

14 comentários:

  1. Estou muito afastada de mim agora, não sei quando vou poder voltar pra casa.

    Me identifiquei demais com as palavras, muito mesmo! Aqui está tudo muito poético!!!

    Beijo grande,
    Zin

    ResponderExcluir
  2. Imaginei nossa amiga "ELA", numa balada, por exemplo.
    Com alguém "pra chamar de seu", será que ela emudeceria, calaria e surtaria? Acho que não! RSRSRSRS
    Beijão!

    ResponderExcluir
  3. gosto de voltar aqui.
    Tenha uma ótima semana,;
    maurizio

    ResponderExcluir
  4. Lu,

    Deve ser difícil não se entregar ao momento... eu não saberia fazer jogo duro.

    Seus textos são tão profundos, tão cheios de palavras cheias de forças, que fica complicado não sentir o impacto na hora que lê. Você nasceu pra escrever,Lu linda.

    Beijo imenso e obrigada pelo seu carinho de hoje.

    Rebeca

    -

    ResponderExcluir
  5. Reflexos de momentos..As vezes me sinto assim, quero distancia de mim mesma.

    Mais um belo texto.

    Bjos e seja bem vinda de volta!

    ResponderExcluir
  6. no fim de tudo solidão.
    boa semana.

    bjossss...

    ResponderExcluir
  7. Sozinha e surtada na multidão!
    É assim!
    Bjooooooo!!!!!!!

    ResponderExcluir
  8. Voltando aos pouquinhos...
    Não entendi se o que a paralisou foi o medo. uma pena! Devemos deixá-lo que ele nos alavanque, em alguns momentos. Isso é viver!
    Beijos, lú! Obrigada pelo carinho em meu blog...

    ResponderExcluir
  9. Oi Lú,

    Voltando devagar, mas, não deixo de passar por aqui sempre que posso pq adoro seus posts e sua maneira de escrever cheia de carga e força....impactante!!!!

    bjinhos linda!

    ResponderExcluir
  10. Nem sempre o mundo nós satisfaz,as vezes sozinhas somos o mundo !

    ResponderExcluir
  11. Um areal morno acolheu
    Teus passos ávidos da chegada
    Caminhas na procura das marcas
    De uma espera desencontrada

    Calmaria!
    A bonança reivindicou o Sol no celeste
    Uniram-se os pedaços de rasgada vela
    Tua alma retomou o sonho adiante


    Bom fim de semana



    Mágico beijo

    ResponderExcluir
  12. Será medo de viver esse subito afastamento de tudo? A solidão não é tao escura quanto se apresenta...

    Beijos

    ResponderExcluir