13 de abril de 2009

Melodia do encontro

Para deixar a revolta de lado...

O que lhe invade não sabe definir quando o pensa todo seu, só seu. Os desejos encobrem os caminhos e se descobrem por si só. E, de repente, num mundo louco e inconsequente, depara-se com o afastamento súbito e momentâneo. Como se não o tivesse visto, fez do momento a energia exata e, do ciúme contido, a ausência de um nada. Nada que a sua vida conta, gira em torno da dele e vai parar em algum lugar. E ela, louca nesta estrada torta, não sabe o que fará agora. Dividi-lo nem pensar. Só se já o tivesse pela metade. Onde o sofrimento não cabe e nem tem espaço para ficar. Desistir nem há como cogitar. Ao primeiro passo dele, ela consentiria o recuo. Planou longe, mais que distante. Seguida por ele a acompanhar-lhe os movimentos. De perto. Ao som do eco. As mãos dela as dele tocaram e massagiaram seu ego e sucumbiram ao desejo. Os olhos fixos em sua boca fizeram com que a sintonia daquele corpo entrasse na sinfonia do seu. E musicaram. E melodiaram. E, afinados, se encontraram. Sem uma palavra. Mudos. Quentes. Cálidos. De joelhos, ele revigorou o sentir, o pulsar, o permitir. Voaram juntos para outro lugar...

5 comentários:

  1. QUE LINDO, QUE LEVE! Um dos textos seus mais lindos que já li! Amei! Perfeito. Essa leveza que você transmite nos seus escritos é uma coisa linda, linda.

    ResponderExcluir
  2. Lu.
    Seus textos são cativantes e inteligentes.
    Mulher bonita e inteligente...combinação perfeita!!
    Bjooss!!

    ResponderExcluir
  3. muito bonito teus texto, é bom voltar sempre ao teu blog.
    Maurizio

    ResponderExcluir