19 de abril de 2009

Complexidade ilógica

Nas últimas semanas, ela tem andado um pouco complexa, ilógica, quase sem sentido mesmo. São poucos os que a compreendem. Vive uma pluralidade de incógnitas que não se desfazem e acabam por entrelaçar as ideias que vão surgindo. O seu mundo é meio assim. Nada toma a direção desejada, tudo parece complicado. Um "simples" convite para uma viagem ao outro lado do mundo com meses de antecedência vira um drama incomparável. Ela não sabe se aceita, se fica, se aposta, se desiste. Talvez por medo do desconhecido costume que pode encontrar. Andará sozinha por quase dois dias até chegar o local onde deve aportar por semanas. Pensa. Repensa. Não concilia o que há. Sem resposta continua e segue tensa. O que também tem sido motivo de tormentas chama-se passado. Sem saber o porquê de um assédio antigo virar constante, ela está preferindo o silêncio. Ao som que anuncia o contato, finge não ouvir. Desliga-se. Desprende-se. Talvez por receio de voltar a viver o que não parece ter futuro. Mas também quem consegue prever o que virá? Certamente ela naõ sabe, mas se recolhe ao direito de não tentar. Isola-se. Confina-se. Opta pelo claustro e sente-se desventurada. A outra aflição que lhe vai no peito são os instantes em que a dúvida insiste em acompanhá-la ao avaliar seu ofício escolhido. Faz bem a sua opção, sua mais clara preferência na vida. Isso é lógico. No entanto, sente que pode mais. Gostaria de desbravar e cultivar novidades, descobrir novas nuances de si mesma, pôr à prova suas aptidões mais secretas. Não sabe se vai em frente. Não sabe se permanece. Não sabe o que faz.

13 comentários:

  1. Achei seu blog pela net, gosto do que leio e to até pensando em fazer um tb.

    Ela precisa parar de ter tanto medo. Só isso.

    Bj

    ResponderExcluir
  2. Malandrona, nem li.. to corrido!
    Só vim agradecer o apoio! Passo aqui com calma!
    Beijocas

    ResponderExcluir
  3. Acho que sei quem é ela.
    Acho também, qiue ela deve deixar um pouco o passado de lado, perder o medo, e se permitir à coisas novas.
    Beijão!

    ResponderExcluir
  4. É Lu, vc tem o dom... o dom de paralisar o leitor em cada texto seu.

    O texto abaixo, sobre o tempo do seu bolo, está perfeito.

    Beijo grande.

    Rebeca

    -

    ResponderExcluir
  5. Esses sentimentos são reflexo da maturidade, quando somos adolecentes as coisas são tão simples, não temos medo de nada,
    adoramos o desconhecido e buscamos realizar os nossos sonhos.
    ´
    Atualmente tenho esses paradoxo tbém.

    Sucesso moça.

    Bjos de luz!

    ResponderExcluir
  6. basicamente existe 2 tipos de escritores: o contador de historias e o escavador de corações. Vc é aquele (a) que sabe escavar o coração do Homem. Vai tentando, vai ensaiando, mas a cada texto vai penetrando mais e mais.
    um beijo

    ResponderExcluir
  7. E daí? Ela melhorou um pouquinho?
    Bjooss!

    ResponderExcluir
  8. Adorei seu blog.

    Que textos bons... impossível ler um só... e eles são tão de todo mundo... você escreve muitooo....

    Parabéns !

    Quando puder visite meu blog também :

    http://eucaliptosnajanela.blogspot.com

    Beijo,

    Solange Maia

    ResponderExcluir
  9. Bom, não sabe o que faz mas "gostaria de desbravar e cultivar novidades, descobrir novas nuances de si mesma, pôr à prova suas aptidões mais secretas."
    Já é um grande começo, sem dúvida. Pra chegar lá, o jeito é caminhar!
    Bjoooooooooo!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  10. Oi Lu!
    Vim retribuir sua visita ao Topêra. Espero que volte e continue participando. Deixa ver se entendi... o que estás escrevendo é uma história? Se for, acompanharei daqui em diante!
    Beijão!

    ResponderExcluir
  11. Luca,
    sou sua fã!!!
    Bjs mil e boa semana,
    Lu

    Ah, quero te ver!!!

    ResponderExcluir
  12. O Néctar da Flor mais uma vez homenageia os amigos queridos com mais um selo, onde a magia acontece, seja ela qual for.
    Não existem regras, apenas repasse com carinho para aqueles que fazem a mágica da escrita criar vida.



    Beijos jogados no ar, sempre!

    -

    ResponderExcluir
  13. Maldita indecisão.
    Gostei daqui, das narrativas e do ritmo que elas tomas.
    Obrigado pelos posts.

    ResponderExcluir