15 de abril de 2009

Toda busca

Até que a bomba exploda, a vontade permanece em sua busca constante. Busca pelo o que não é certo, é incerto, é bambo. Os zigue-zagues se espalham sobre as farpas, sobre os desgostos, sobre os remorsos. Deve ser tão difícil explicar quando se chega a um final inesperado. Se a espera fosse anunciada, não haveria lágrimas talvez. O fim se escoa em escombros deixados e recolhidos durante um bom tempo. No entanto, não se sabe de onde veio este muro que se forma agora. Por ora, superá-lo não seria questão de momento. O tempo não mais existe. Nem seria possível ultrapassar o que está se firmando. Já foi o que passou e não sumiu no vento. Foi se unindo. Foi se juntando. Até virar o que há. Frio. Duro. Rígido. Sem sinal de destruição ou substituição. Existe e pronto. Separa e pronto. Exato e ponto. Lados acabam se tornando opostos por meros acasos. Casos e mais casos confessados pela boca volumosa. Grande que não se abre mais para ditar o futuro, suavizar o passado ou produzir o belo. Agora fere. Lança pedaços por todos os pólos. Que não venha como acabou. Que quebre para evitar as dores. Que não sobre odores. Que não traga temores. Para que não reste uma só sobra de tudo o que passou...

6 comentários:

  1. Será que voce pode parar de ser subjetiva? Tenha conciencia que outro aquariano lê isso aqui e fica tentando ser subjetivo tambem e acaba em parafusos! VOCE vai pagar a conta do analista!

    ResponderExcluir
  2. Mais um texto forte e direto, hein?
    Li uma vez, e...hã!
    Li novamente, e entendi. E, como!!
    Por isso, gosto dos seus posts. Eles são escritos para a gente ler bem devagarinho...saboreando cada palavra.
    Um beijão.

    ResponderExcluir
  3. Por mim, continua assim mesmo.Está muito bom.

    Bjoos, de novo!

    ResponderExcluir
  4. Bom, eu prefiro finais inesperados. É uma dor só. Um soco único no estômago. Agora, quando a coisa tem data de validade, se arrasta, a morte é lenta... nao me soa bom.
    olha que louco ontem escrevi algo bem parecido. nessas minhas andanças, conheci a históra de Ana Carla e Miguel.

    ResponderExcluir
  5. Oie,

    Pois é...esses muros se formam de vagar e quando a gente sente já se faz divido o uno.As diferenças já não são mais semelhanças, um final inesperado, para um começo esperado.
    Que se quebre e dissolva o que já existiu para não deixar cacos que a machuque!

    Seus textos são ótimos de ler!!!!amo!

    bjinhos lindaaaa!!!!

    ResponderExcluir
  6. Mto bom este Luluxa! Está cada dia melhor nesta arte, minha cara... Bjin

    ResponderExcluir