3 de março de 2009

Futebol, política e religião não se discutem. Tudo bem. Eu sei. Nem é essa a intenção. Na verdade, queria trocar idéias sobre o que acredito e ouvir também em que os outros baseiam suas vidas. Talvez isso possa vir a ser polêmico para alguém, mas não é o caso. É assim. Sou de família católica, fiz primeira comunhão, crisma, cantei no encontro de jovens e tudo mais. (É, eu gosto de cantar, mas não segui carreira. Se eu tivesse talento...). Há três anos tive o contato com a doutrina que tem por base as relações do mundo material com o mundo invisível, a filosofia espiritualista. Aquela que tem como alguns dos objetivos a reforma íntima, o progresso moral e intelectual do homem, o exemplo de fazer o bem com caridade e fé, entre outros. Ainda sou como um bebê engatinhando no assunto e tenho me dedicado a aprender sempre.

Confesso que vivia com dúvidas anteriormente sobre de onde viemos, pra onde vamos, o porquê de tantas diferenças entre as pessoas e diante da justiça eterna de Deus, do fim definitivo de algo tão singular que é a vida de cada um. Sei que existem os agnósticos, os ateus e todas as outras religiões. Deixo claro que respeito a crença de cada um. Nem exijo que acreditem na minha. Acho até que a diversidade é importante para que possamos evoluir sempre com os debates respeitosos.

Mas o meu caminho foi assim. Ficava pensando em como Deus poderia ser tão justo e permitir tantas diferenças numa só existência das vidas humanas? Uns muito ricos, outros pobres, uns deficientes, outros iluminados e assim vai. Se Ele criou todas as criaturas, como poderia criar um "Anjo Mal e poderoso", como muitos acreditam? E eu sabia que Deus é único, eterno, justo, infinitamente bom e caridoso. Se criasse o mal, Ele não negaria a Si próprio? Como Ele permitiria que esse "Anjo Mal" tenha se rebelado e tenha poderes de danificar a vida de pessoas de bem? Por ser criador, por que não lhe tirou os poderes? Além disso, onde estariam os anjos guardiões, que velam por nós? E assim voava a minha mente e minhas inquietações íntimas. Encontrei todas as respostas e estou achando cada vez mais. Estou mais confiante no futuro, mais centrada, lutando contra os vícios do passado e procurando melhorar nesse mundo de expiações e provas. Dei o primeiro passo, escolhi a estrada e acredito estar a caminho da luz.    

Poderia ficar horas escrevendo e me estendendo no assunto, mas achei melhorar parar por aqui. O importante é acreditar em Deus e buscar fazer o bem sem olhar a quem.

Para não perder o costume, ouvi hoje mais cedo "Outra Vida", de Armandinho.

2 comentários:

  1. Sou completamente ignorante no assunto. Mas credito que realmente, há muita coisa oculta que não temos a mínima noção que "exista"

    ResponderExcluir
  2. Isso, se você quiser, te mando!

    ResponderExcluir