8 de março de 2009

A busca constante pelo amparo, pelo amor, pela paz de espírito, pela plenitute aflige, por vezes, o coração. A cada batida, a ansiedade nos leva a procurar pelo o que é melhor em perfeição. Mas será que isso existe? O quanto é verdadeira esta busca? Acredito que continuo pela estrada e ainda não encontrei certamente a tranquilidade que nem sei se almejo. Na verdade, nem me concentro nisso. Voo aqui. Sobrevoo ali e me sinto bem. É fato que os momentos solitários acontecem. Mas quem nunca foi só? O importante é estar bem consigo. Seja com a beleza exterior ou interior. Com o dia-a-dia corrido ou a escolha profissional. Com as amizades sinceras ou com as superficiais. Com as próprias composições ou com a simetria da melodia. Com as viagens longas ou com a breve passagem. Independentemente do que for, sou livre. Sem rótulos. Sem moldes. Sem paredes. Sem grades. Quero ser feliz ou triste. Ser sincera ou chata. Ser bela ou discreta. Cair na farra ou ficar queita. Discursar para mim ou me calar em público. Descabelar ou desiludir. Quero ser eu mesma. Só isso. Sem mais ou menos. 

Duas músicas me embalam nessa noite quente depois de escrever bastante. Conheci o som de Ana Carolina com uma amiga que assistia o DVD praticamente o dia todo. Num dia em sua casa, fui "obrigada" a acompanhar esse som. Acabei por admirar sua voz forte. Agora me lembrei de duas músicas dela que adoro: "Nada pra mim" e "Hoje eu tô sozinha"....     

2 comentários:

  1. Da pra você parar de postar senão não consigo acompanhar menina???

    Beijocas e parabéns por hoje.

    ResponderExcluir
  2. o lance da tranquilidade é não deixar de procurar, ainda que saibamos que ela nao quer ser encontrada. e nessa busca contínua e valente, enfim, nos percebemos tranquilos. é bem doido...

    ResponderExcluir