28 de março de 2009

Às vezes, eu me torno para-raio de maluco e imã para gente mala. Peloamordedeus. Jesusmariajosé. Alguém me socorre! Tento exercitar a paciência, respiro fundo, fecho os olhos, conto até dez. Sou adepta de todas as técnicas e táticas para desanuviar, relevar, diminuir a tensão. Mas tem horas em que é difícil. Eu sei, eu sei. Para começar, tenho que acordar mega cedo depois de uma semana cansativa para cumprir com o que me comprometi. Até aí tudo bem. Mesmo com aquele sono que pareço levar a cama junto, vou levando e não há nada que um óculos escuros não resolva. O lugar é longe mesmo. Mas foi uma escolha que fiz e não posso reclamar. Sem problemas, sem problemas. Tiro de letra. Chego cedo, escolho um lugar em que me sinto confortável, apesar daquele aperto que parece inevitável, já que vários escolheram assumir o mesmo compromisso. Tudo bem, tudo tranquilo. Porém eis que chega a criatura. "Oieeeeeeeeeeeeeeeeeee!!", grita com aquele sorriso. Eu, é claro, com a educação que recebi dos meus pais, respondo sempre. "Oi. Bom dia." Estava eu com aquele soninho, mas nada que me incomodasse. Logo em seguida, veio mais uma. "Quero sentar do seu lado", pediu, mesmo observando que o lugar já estava lotado e que não haveria possibilidade de colocar mais uma cadeira por ali. "Mas está cheio, querida", expliquei. "Ai gente será que ninguém pode me dar o lugar ou chegar para o lado?", falou na maior cara-de-pau. Fiquei estática, sem piscar e torcendo para ninguém ousar levantar dali. Silêncio. Ela insistiu. "Poxa, queria sentar ao lado dela". Dela, signifca eu! Não sei que raios de magnetismo eu estava emanando naquela situação. "Querida, senta lá do outro lado porque tudo já começou e depois a gente vê isso", contemporizei. "Ahhhhh..pôxa, gente". Foi o suficiente para um educado que estava do meu lado resolver se levantar. Putzzzzzzzzzzzzzz. A criatura sentou do meu lado, sem que eu entenda verdadeiramente o motivo, e começou a puxar assunto. Psiiiiiuuu. "Querida, quero prestar atenção", pedi. "Ah, desculpe". Fez-se um silêncio momentâneo. A cada palavra que eu escrevia no caderno, os olhos dela quase grudavam nele. "O que está fazendo?", perturbava. "Escrevendo, não vê?", fui mais firme. "Mas exatamente o que?", insistia. "O que está lá", apontei. Ela não se dava por vencida. A sua cabeça baixava na altura do meu lápis ou da caneta para acomanhar o que eu fazia. "O que foi, querida? Precisa de alguma ajuda?", preocupei-me. "Não não. Só estou vendo o que está fazendo", tentou explicar. "Mas você tem que prestar atenção ali (apontei) e não aqui", falei já com aquela angústia de ter alguém colado e ainda debruçando-se em mim.  A hora do intervalo chegou e preferi ficar no mesmo lugar. Impassível. "Vamos lá fora?", convidou ela."Não, obrigada. Vou ficar aqui", respondi. "Mas por que? Está sentindo algo?", indagou. "Não não. Quero ficar SOZINHA um pouco", alfinetei. "Estava até pensando em deixar de ir lá fora para ficar com vc", relevou. "NÃO! PELOAMORDEDEUS. Vai passear", disse eu, querendo dizer, na verdade, VAI PASTAR! Fiquei nessa por, pelo menos, quatro horas e rezando para tudo acabar. No fim, saí correndo, dando aquele tchau caminhando e sumi na multidão. Ufa! Escapei. 

Sou chata, às vezes, como todo mundo. Mas tem gente que é totalmente sem noção.

4 comentários:

  1. KKKKKKKK

    Concordo plenamente!!!
    E se te serve de consolo de vez em quando também emano essa espécie de imã de gente chata!!!Hahahah
    vc devia ter pedido para ir ao banheiro e trocado de lugar pq gente assim...ninguém merece!!!KKKK

    bjinhos minha linda, e um ótimo final de semana, sem gente chata do seu lado!KKK

    ResponderExcluir
  2. Gente efusiva cedo do dia NÃO ROLA. Ai meu deus, fiquei com peninha de ti. O pior é a pessoa NÃO SE TOCAR...

    ResponderExcluir
  3. Eu sou para raio de malucos na rua... putz... que situação!

    ResponderExcluir
  4. Eu resolveria isso na segunda linha deste post, mas tudo bem... HAHAHAHAH

    ResponderExcluir